por
Lingopass
6.3.2024

Nanotecnologia: O que é? Para que serve?

A nanotecnologia, com seu mundo microscópico cheio de potencial, está abrindo novos horizontes na ciência e em várias indústrias. Surgindo nas décadas de 60 e 80, esse campo decolou nas últimas duas décadas, impulsionado por um mercado global em crescimento constante. Segundo o relatório Global Nanotechnology Market da Research & Markets, nos próximos cinco anos, esse mercado ultrapassará os US$ 125 bilhões. Isso significa um futuro emocionante, cheio de oportunidades e inovações que vão mudar nossas vidas.

Mas o que exatamente é a nanotecnologia?

A nanotecnologia representa um domínio tecnológico que manipula a estrutura molecular dos materiais para modificar suas propriedades intrínsecas, resultando em aplicações revolucionárias. Um exemplo notável é o grafeno, uma forma modificada de carbono, que é mais resistente que o aço, mais leve que o alumínio e praticamente transparente. Além disso, as nanopartículas têm sido amplamente utilizadas em diversos campos, como eletrônica, energia, biomedicina e defesa.

A história da nanotecnologia começa em 1959, quando o famoso físico americano Richard Feynman discutiu suas possíveis aplicações no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech). Desde então, com a chegada do século XXI, a nanotecnologia não só se consolidou, mas também se tornou uma indústria comercial em ascensão. Hoje, abrange uma ampla gama de disciplinas, incluindo microfabricação, química orgânica e biologia molecular. Apenas nos Estados Unidos, mais de 18 bilhões de dólares foram investidos entre 2001 e 2013 pela Iniciativa Nacional de Nanotecnologia (NNI), com o objetivo de impulsionar o crescimento econômico e a competitividade do setor.

Dentro da nanotecnologia, existem diferentes abordagens, classificadas de acordo com seus métodos de procedimento e o meio em que operam:

1. Abordagem Descendente: Nesta abordagem, os mecanismos e estruturas são miniaturizados em escala nanométrica, variando de um a 100 nanômetros. Esta é a abordagem mais comum até hoje, especialmente na área da eletrônica.

2. Abordagem Ascendente: Contrariamente à abordagem descendente, nesta se inicia com uma estrutura nanométrica, como uma molécula, e através de um processo de montagem ou automontagem, cria-se um mecanismo maior do que o inicial.

3. Nanotecnologia Seca: Utilizada para fabricar estruturas em materiais como carvão, silício, metais e semicondutores, que não operam em ambientes úmidos.

4. Nanotecnologia Úmida: Baseada em sistemas biológicos presentes em ambientes aquosos, esta abordagem inclui materiais genéticos, membranas celulares, enzimas e outros componentes celulares.

Olhando para o futuro da nanotecnologia, vemos tanto promessas quanto desafios. Por um lado, espera-se um crescimento contínuo do setor globalmente, impulsionado por avanços tecnológicos, apoio governamental e investimento privado crescente, além da demanda em constante crescimento por dispositivos em escala nano. Por outro lado, os riscos ambientais, de saúde e segurança associados à nanotecnologia, juntamente com preocupações sobre sua comercialização, podem limitar a expansão do mercado.

Prevê-se que países como Estados Unidos, Brasil e Alemanha liderem o setor de nanotecnologia até 2024, com uma presença significativa também em países asiáticos como Japão, China, Coreia do Sul, Índia, Taiwan e Malásia. Setores como eletrônicos e energia continuarão dominando, enquanto a indústria cosmética poderá ascender no ranking, potencialmente superando até mesmo o setor biomédico.

Nanotecnologia: O que é? Para que serve?

por
Lingopass
6.3.2024
Tempo de leitura:
6 minutos

A nanotecnologia, com seu mundo microscópico cheio de potencial, está abrindo novos horizontes na ciência e em várias indústrias. Surgindo nas décadas de 60 e 80, esse campo decolou nas últimas duas décadas, impulsionado por um mercado global em crescimento constante. Segundo o relatório Global Nanotechnology Market da Research & Markets, nos próximos cinco anos, esse mercado ultrapassará os US$ 125 bilhões. Isso significa um futuro emocionante, cheio de oportunidades e inovações que vão mudar nossas vidas.

Mas o que exatamente é a nanotecnologia?

A nanotecnologia representa um domínio tecnológico que manipula a estrutura molecular dos materiais para modificar suas propriedades intrínsecas, resultando em aplicações revolucionárias. Um exemplo notável é o grafeno, uma forma modificada de carbono, que é mais resistente que o aço, mais leve que o alumínio e praticamente transparente. Além disso, as nanopartículas têm sido amplamente utilizadas em diversos campos, como eletrônica, energia, biomedicina e defesa.

A história da nanotecnologia começa em 1959, quando o famoso físico americano Richard Feynman discutiu suas possíveis aplicações no Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech). Desde então, com a chegada do século XXI, a nanotecnologia não só se consolidou, mas também se tornou uma indústria comercial em ascensão. Hoje, abrange uma ampla gama de disciplinas, incluindo microfabricação, química orgânica e biologia molecular. Apenas nos Estados Unidos, mais de 18 bilhões de dólares foram investidos entre 2001 e 2013 pela Iniciativa Nacional de Nanotecnologia (NNI), com o objetivo de impulsionar o crescimento econômico e a competitividade do setor.

Dentro da nanotecnologia, existem diferentes abordagens, classificadas de acordo com seus métodos de procedimento e o meio em que operam:

1. Abordagem Descendente: Nesta abordagem, os mecanismos e estruturas são miniaturizados em escala nanométrica, variando de um a 100 nanômetros. Esta é a abordagem mais comum até hoje, especialmente na área da eletrônica.

2. Abordagem Ascendente: Contrariamente à abordagem descendente, nesta se inicia com uma estrutura nanométrica, como uma molécula, e através de um processo de montagem ou automontagem, cria-se um mecanismo maior do que o inicial.

3. Nanotecnologia Seca: Utilizada para fabricar estruturas em materiais como carvão, silício, metais e semicondutores, que não operam em ambientes úmidos.

4. Nanotecnologia Úmida: Baseada em sistemas biológicos presentes em ambientes aquosos, esta abordagem inclui materiais genéticos, membranas celulares, enzimas e outros componentes celulares.

Olhando para o futuro da nanotecnologia, vemos tanto promessas quanto desafios. Por um lado, espera-se um crescimento contínuo do setor globalmente, impulsionado por avanços tecnológicos, apoio governamental e investimento privado crescente, além da demanda em constante crescimento por dispositivos em escala nano. Por outro lado, os riscos ambientais, de saúde e segurança associados à nanotecnologia, juntamente com preocupações sobre sua comercialização, podem limitar a expansão do mercado.

Prevê-se que países como Estados Unidos, Brasil e Alemanha liderem o setor de nanotecnologia até 2024, com uma presença significativa também em países asiáticos como Japão, China, Coreia do Sul, Índia, Taiwan e Malásia. Setores como eletrônicos e energia continuarão dominando, enquanto a indústria cosmética poderá ascender no ranking, potencialmente superando até mesmo o setor biomédico.

Nanotecnologia está transformando a realidade na Amazônia ao tratar a água poluída.

Desde 2023, a região amazônica tem enfrentado a sua pior seca já registrada. Essa situação devastadora resultou na morte de animais, prejudicou a navegação — muitas vezes a única forma de transporte para algumas comunidades — e dificultou o acesso à água potável, colocando em risco a saúde, especialmente nas comunidades ribeirinhas, onde a água é mais contaminada.

No entanto, aproximadamente 7.400 pessoas em 25 comunidades nos municípios de Santarém e Oriximiná, localizados no Oeste do Pará, agora estão protegidas contra doenças transmitidas pela água, graças a um filtro coletivo que utiliza uma micromembrana produzida com nanotecnologia, uma técnica que manipula a matéria em escala atômica, menor que um centímetro.

Jussara Salgado, coordenadora do Programa de Infraestrutura Comunitária do Projeto Saúde & Alegria, responsável pela implementação dessas tecnologias nessas comunidades afetadas pela severa seca, explica: "Essa micromembrana é capaz de filtrar até 99,9% dos vírus, bactérias e sedimentos, melhorando significativamente a qualidade de vida das famílias que não possuem sistemas de tratamento de água".

Jessé Campos, morador da comunidade Santa Terezinha, em Aritapera, Santarém, relata que sua comunidade consumia água contaminada e que até mesmo a água imprópria ficou escassa com a seca. "A gente puxava água do rio e tomava assim mesmo. Esse projeto chegou para melhorar muito a nossa saúde e a nossa vida", comenta.

Manoel Edivaldo Pereira, presidente da Associação Comunitária de Aritapera de Cima, na área rural de Santarém, destaca que o filtro, com capacidade de armazenar até 25 mil litros de água, veio para amenizar as doenças na região. "Esse filtro veio na hora certa. Com a estiagem, muitas crianças e idosos sofreram com infecções devido ao consumo de água imprópria", avalia."

Em resumo, a nanotecnologia é uma fronteira emocionante que continua a expandir nossos horizontes científicos e tecnológicos. Seu impacto será sentido em diversas áreas da nossa vida cotidiana, moldando o mundo de amanhã de maneiras que hoje apenas começamos a vislumbrar.

Ver também:
4.4.24
Forbes Global 2000: As 10 maiores empresas do setor de saúde e farmacêutico
6.3.24
Nanotecnologia: O que é? Para que serve?
1.2.24
Setor farmacêutico: 5 tendências que moldarão a “Life Science” em 2024
Faça Aulas gratuitas de conversação:
Sou Aluno
Seta apontando para a diagonal alta direita. Representando um link para outra página
lingonews
Receba novidades e conteúdos exclusivos em nossas newsletters.
Obrigado por se cadastrar!
Email inválido. Tente novamente ou use outro email.
Estamos na lista de 100 Startups to Watch, pela Pequenas Empresas e Grandes Negócios
Estamos na lista das 100 Latam EdTech mais promissoras de 2022 e 2023, pela HolonIQ
Acelerado por grandes parceiros:
©Lingopass - todos os direitos reservados. Termo de Uso e Política de Privacidade