por
Lingopass
28.12.2022

Entenda o que é o que é autogestão, como aperfeiçoar e quais os benefícios

Autogestão: entenda o que é, quais são os seus benefícios e como desenvolver essa técnica 

O modelo de cultura organizacional tradicional faz com que os colaboradores estejam subordinados a um chefe, tendo que prestar satisfações a ele na tomada de todas as decisões. A autogestão veio para desfazer essa ideia e promulgar a autonomia para os funcionários e a importância da gestão horizontal. Saiba mais sobre o que é autogestão  e como implantá-la na empresa.

O que é autogestão?

A autogestão é um modelo de cultura organizacional que valoriza a gestão horizontal, ou seja, diminui a hierarquia da empresa e dá o poder aos colaboradores para que eles possam tomar decisões sem precisar consultar a chefia todas as vezes que forem realizar uma atividade. 

Apesar dessa liberdade, a autogestão não quer dizer dizimar todos os líderes, igualar os colaboradores e acabar com as regras e diretrizes da empresa, mas sim entender a importância da autonomia no sucesso empresarial.

A importância e os benefícios da autogestão

A autogestão traz muitos pontos positivos para o dia a dia das empresas, o que reflete também nos resultados. 

Entre estes pontos estão o aumento da produtividade e da autonomia, o desenvolvimento de talentos, a otimização de processos e um aumento da qualidade do trabalho em equipe. Entenda mais sobre cada um destes benefícios: 

Mais produtividade

Aquela ideia de que existe um chefe comandando absolutamente todos os passos costuma deixar o colaborador estagnado em suas funções, fazendo sempre as mesmas funções de forma cada vez mais automática.

Como consequência, o trabalho acaba se tornando bem mecânico e a produtividade (assim como a qualidade do resultado final) baixam bastante, ou seja, a autogestão aumenta a produtividade. 

Maior autonomia

Se uma empresa contratou um funcionário é porque os colaboradores do RH verificaram que aquela pessoa tem atributos que somam no negócio. Dessa forma, não faz sentido limitar e subordinar a capacidade desse funcionário. 

Assim, desenvolver a autonomia dos colaboradores de uma empresa é muito bom para entender quais são os pontos fortes e fracos de uma empresa e colocar em prática seus maiores talentos. 

Desenvolvimento de talentos

Uma das consequências diretas do aumento de autonomia é o desenvolvimento de talentos. Os talentos costumam ter como principal característica a criatividade aflorada e dentro de uma empresa com normas fechadas e subordinação direta ao cargo de chefia, eles não costumam se desenvolver. 

Essa criatividade, assim como capacidade de adaptação e diferenciação do mercado, é algo extremamente valorizado atualmente (uma vez que um dos critérios de sobrevivência de uma empresa é sua capacidade de se adaptar perante às adversidades). 

Processos mais rápidos e menos burocráticos

Como a autogestão reduz o número de decisões que precisam ser levadas ao chefe e aprovadas, a burocratização acaba sendo bem menor. 

Dessa forma, principalmente por causa da redução da burocracia, os processos se tornam mais rápidos. Assim, a empresa consegue avançar, em termos de projetos, de uma forma mais rápida e, na maioria das vezes, melhor. 

Melhor trabalho em equipe

A tomada de decisões dentro da autogestão costuma ser uma prática bastante conjunta, principalmente dentro de projetos que possuem várias equipes atuando para um mesmo fim. Sendo assim, a comunicação e a melhoria do trabalho em equipe costumam ser uma realidade para empresas que adotam a estratégia de autogestão. 

A autogestão na prática

Na prática, a autogestão envolve tanto o âmbito empresarial como o pessoal para que ela seja eficaz. Veja o porquê:

Autogestão empresarial

A autogestão é uma prática que ganhou popularidade há bem pouco tempo, uma vez que muitas empresas com uma mente de estrutura verticalizada não enxergam como essa estratégia pode ajudar.

Sabendo dos benefícios e se convencendo de que a autogestão é uma boa opção, a empresa deverá começar a tomar medidas que pensem em seus colaboradores e em como despertar a boa prática no desempenho de suas funções. 

Autogestão pessoal

Não são só as empresas que costumam ficar relutantes em desenvolver a autogestão, muitos colaboradores se sentem confortáveis com a estrutura do serviço verticalizado e não querem mudar. 

Para mudar a cabeça dessas pessoas, é preciso deixar claro que a autogestão é um caminho para melhorar o processo profissional delas e que para colocar essa estratégia em vigência é preciso definir seus objetivos e monitorar os seus resultados. 

Outros exemplos

A união da autogestão pessoal tem como resultado direto a atuação de equipes paralelas com funções e processos que se completam para o projeto final, assim como as cadeiras de convenções individuais. 

Um outro conceito que entra em autogestão é o de círculo alinhado. Isso quer dizer que, apesar dos colaboradores poderem tomar decisões, deve haver consciência de seus cargos. Cada um trabalha o seu talento e contribui para os serviços do colega sem sair de sua área. 

Como desenvolver autogestão

Para desenvolver a autogestão, é importante fazer a capacitação dos colaboradores, ter uma redução dos cargos de chefia e promover autoavaliações entre os membros da equipe, além de se lembrar de manter uma visão dos colaboradores enquanto indivíduos. Confira abaixo mais sobre cada um destes pontos:

Capacitação dos colaboradores

A ideia da autogestão não é colocar em vigência uma estratégia que pode trazer danos para as empresas. Tendo isto em mente, para deixar que os colaboradores tomem suas próprias decisões é preciso que a empresa tenha certeza que essas decisões serão as melhores. 

Para desenvolver essa certeza e para garantir bagagem de conhecimento suficiente para boas decisões, o melhor caminho é investir em capacitação profissional constante para os trabalhadores. 

Diminuir cargos de chefia

O primeiro passo para praticar a autogestão é diminuindo os cargos de chefe e dando uma reduzida nas hierarquias de uma empresa. Todos os colaboradores acabam tendo o mesmo lugar de hierarquia, ou seja, a empresa se torna mais horizontal. 

Isso, entretanto, não quer dizer que não haverá a figura do líder. Esse líder poderá delimitar funções, mas ele entende o poder e a importância da autonomia e atua para o direcionamento da equipe e não como um ditador de regras. 

Autoavaliações

Para promover a autogestão de maneira eficiente dentro de uma empresa, é preciso que os colaboradores se enxerguem como partes importantes para o resultado final de um processo. 

Por essa razão, é crucial que a empresa tenha autoavaliações constantemente, para que os funcionários reflitam sobre suas melhores e piores decisões, conseguindo enxergar o que pode ser melhorado.

Olhar voltado para os colaboradores de forma individual (H3)

Uma outra estratégia muito usada pelas empresas é a de people centric, em que o negócio entende que só existe por causa das pessoas envolvidas. Para a autogestão dar certo, o people centric é essencial.

Assim, a empresa precisa entender que todos os funcionários possuem suas próprias motivações, focos e metas e deve alinhar esses objetivos com os da empresa, gerando bons resultados para ambos os lados. 

Saber o que é o que é autogestão é crucial para a internacionalização de uma empresa, já que essa é uma estratégia usada constantemente por países estrangeiros. Saiba mais no Lingopass!

Entenda o que é o que é autogestão, como aperfeiçoar e quais os benefícios

por
Lingopass
28.12.2022
Tempo de leitura:

Autogestão: entenda o que é, quais são os seus benefícios e como desenvolver essa técnica 

O modelo de cultura organizacional tradicional faz com que os colaboradores estejam subordinados a um chefe, tendo que prestar satisfações a ele na tomada de todas as decisões. A autogestão veio para desfazer essa ideia e promulgar a autonomia para os funcionários e a importância da gestão horizontal. Saiba mais sobre o que é autogestão  e como implantá-la na empresa.

O que é autogestão?

A autogestão é um modelo de cultura organizacional que valoriza a gestão horizontal, ou seja, diminui a hierarquia da empresa e dá o poder aos colaboradores para que eles possam tomar decisões sem precisar consultar a chefia todas as vezes que forem realizar uma atividade. 

Apesar dessa liberdade, a autogestão não quer dizer dizimar todos os líderes, igualar os colaboradores e acabar com as regras e diretrizes da empresa, mas sim entender a importância da autonomia no sucesso empresarial.

A importância e os benefícios da autogestão

A autogestão traz muitos pontos positivos para o dia a dia das empresas, o que reflete também nos resultados. 

Entre estes pontos estão o aumento da produtividade e da autonomia, o desenvolvimento de talentos, a otimização de processos e um aumento da qualidade do trabalho em equipe. Entenda mais sobre cada um destes benefícios: 

Mais produtividade

Aquela ideia de que existe um chefe comandando absolutamente todos os passos costuma deixar o colaborador estagnado em suas funções, fazendo sempre as mesmas funções de forma cada vez mais automática.

Como consequência, o trabalho acaba se tornando bem mecânico e a produtividade (assim como a qualidade do resultado final) baixam bastante, ou seja, a autogestão aumenta a produtividade. 

Maior autonomia

Se uma empresa contratou um funcionário é porque os colaboradores do RH verificaram que aquela pessoa tem atributos que somam no negócio. Dessa forma, não faz sentido limitar e subordinar a capacidade desse funcionário. 

Assim, desenvolver a autonomia dos colaboradores de uma empresa é muito bom para entender quais são os pontos fortes e fracos de uma empresa e colocar em prática seus maiores talentos. 

Desenvolvimento de talentos

Uma das consequências diretas do aumento de autonomia é o desenvolvimento de talentos. Os talentos costumam ter como principal característica a criatividade aflorada e dentro de uma empresa com normas fechadas e subordinação direta ao cargo de chefia, eles não costumam se desenvolver. 

Essa criatividade, assim como capacidade de adaptação e diferenciação do mercado, é algo extremamente valorizado atualmente (uma vez que um dos critérios de sobrevivência de uma empresa é sua capacidade de se adaptar perante às adversidades). 

Processos mais rápidos e menos burocráticos

Como a autogestão reduz o número de decisões que precisam ser levadas ao chefe e aprovadas, a burocratização acaba sendo bem menor. 

Dessa forma, principalmente por causa da redução da burocracia, os processos se tornam mais rápidos. Assim, a empresa consegue avançar, em termos de projetos, de uma forma mais rápida e, na maioria das vezes, melhor. 

Melhor trabalho em equipe

A tomada de decisões dentro da autogestão costuma ser uma prática bastante conjunta, principalmente dentro de projetos que possuem várias equipes atuando para um mesmo fim. Sendo assim, a comunicação e a melhoria do trabalho em equipe costumam ser uma realidade para empresas que adotam a estratégia de autogestão. 

A autogestão na prática

Na prática, a autogestão envolve tanto o âmbito empresarial como o pessoal para que ela seja eficaz. Veja o porquê:

Autogestão empresarial

A autogestão é uma prática que ganhou popularidade há bem pouco tempo, uma vez que muitas empresas com uma mente de estrutura verticalizada não enxergam como essa estratégia pode ajudar.

Sabendo dos benefícios e se convencendo de que a autogestão é uma boa opção, a empresa deverá começar a tomar medidas que pensem em seus colaboradores e em como despertar a boa prática no desempenho de suas funções. 

Autogestão pessoal

Não são só as empresas que costumam ficar relutantes em desenvolver a autogestão, muitos colaboradores se sentem confortáveis com a estrutura do serviço verticalizado e não querem mudar. 

Para mudar a cabeça dessas pessoas, é preciso deixar claro que a autogestão é um caminho para melhorar o processo profissional delas e que para colocar essa estratégia em vigência é preciso definir seus objetivos e monitorar os seus resultados. 

Outros exemplos

A união da autogestão pessoal tem como resultado direto a atuação de equipes paralelas com funções e processos que se completam para o projeto final, assim como as cadeiras de convenções individuais. 

Um outro conceito que entra em autogestão é o de círculo alinhado. Isso quer dizer que, apesar dos colaboradores poderem tomar decisões, deve haver consciência de seus cargos. Cada um trabalha o seu talento e contribui para os serviços do colega sem sair de sua área. 

Como desenvolver autogestão

Para desenvolver a autogestão, é importante fazer a capacitação dos colaboradores, ter uma redução dos cargos de chefia e promover autoavaliações entre os membros da equipe, além de se lembrar de manter uma visão dos colaboradores enquanto indivíduos. Confira abaixo mais sobre cada um destes pontos:

Capacitação dos colaboradores

A ideia da autogestão não é colocar em vigência uma estratégia que pode trazer danos para as empresas. Tendo isto em mente, para deixar que os colaboradores tomem suas próprias decisões é preciso que a empresa tenha certeza que essas decisões serão as melhores. 

Para desenvolver essa certeza e para garantir bagagem de conhecimento suficiente para boas decisões, o melhor caminho é investir em capacitação profissional constante para os trabalhadores. 

Diminuir cargos de chefia

O primeiro passo para praticar a autogestão é diminuindo os cargos de chefe e dando uma reduzida nas hierarquias de uma empresa. Todos os colaboradores acabam tendo o mesmo lugar de hierarquia, ou seja, a empresa se torna mais horizontal. 

Isso, entretanto, não quer dizer que não haverá a figura do líder. Esse líder poderá delimitar funções, mas ele entende o poder e a importância da autonomia e atua para o direcionamento da equipe e não como um ditador de regras. 

Autoavaliações

Para promover a autogestão de maneira eficiente dentro de uma empresa, é preciso que os colaboradores se enxerguem como partes importantes para o resultado final de um processo. 

Por essa razão, é crucial que a empresa tenha autoavaliações constantemente, para que os funcionários reflitam sobre suas melhores e piores decisões, conseguindo enxergar o que pode ser melhorado.

Olhar voltado para os colaboradores de forma individual (H3)

Uma outra estratégia muito usada pelas empresas é a de people centric, em que o negócio entende que só existe por causa das pessoas envolvidas. Para a autogestão dar certo, o people centric é essencial.

Assim, a empresa precisa entender que todos os funcionários possuem suas próprias motivações, focos e metas e deve alinhar esses objetivos com os da empresa, gerando bons resultados para ambos os lados. 

Saber o que é o que é autogestão é crucial para a internacionalização de uma empresa, já que essa é uma estratégia usada constantemente por países estrangeiros. Saiba mais no Lingopass!

Ver também:
20.9.23
Curso de Idiomas online: um benefício necessário para suas equipes.
22.9.22
Lingopass está na lista anual de 2022 da HolonIQ
21.8.23
Lingopass + Azul: Parceria que levou 4 gestores de RH para Paris
Faça Aulas gratuitas de conversação:
Sou Aluno
Seta apontando para a diagonal alta direita. Representando um link para outra página
lingonews
Receba novidades e conteúdos exclusivos em nossas newsletters.
Obrigado por se cadastrar!
Email inválido. Tente novamente ou use outro email.
Estamos na lista de 100 Startups to Watch, pela Pequenas Empresas e Grandes Negócios
Estamos na lista das 100 Latam EdTech mais promissoras de 2022 e 2023, pela HolonIQ
Acelerado por grandes parceiros:
©Lingopass - todos os direitos reservados. Termo de Uso e Política de Privacidade