por
Lingopass
20.7.2022

Entenda a importância da inclusão de PcDs no ambiente de trabalho

É notório que grande parte dos ambientes de trabalho acabam tendo uma uniformização e seguem sempre um padrão, muitas vezes excludente e preconceituoso, o que acaba impossibilitando a inserção de diversos profissionais no mercado, e também a descoberta de novos talentos, pelo motivo de não se encaixarem naquele padrão. Com isso, o Estado se vê obrigado a criar uma política de cotas, para permitir a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho. Nesse contexto, é importante entender a real importância da inclusão de PcDs no ambiente de trabalho, por isso, confira abaixo.

A realidade é que a composição de equipes de trabalho, assim como no mundo dos investimentos, precisa ser a mais variada possível, já que cada um tem a sua funcionalidade baseado nas experiências vividas e no conhecimento adquirido por cada um. Portanto, ter uma equipe pautada na ideia de inclusão é extremamente positivo justamente pela questão da troca de experiências, das mais diversas possíveis e também é benéfico porque dá espaço a pessoas que muitas vezes acabam sendo descartadas durante processos seletivos, justamente por uma concepção preconceituosa e capacitista.  

O que é a inclusão de PcD em uma empresa?

Existem muitas empresas no mercado que se utilizam de pautas sociais para conseguir vender uma melhora na sua imagem, mas não executam nada para de fato incluir PcDs no ambiente de trabalho da empresa. Além disso, muitas empresas acabam não entendendo como de fato incluir esse grupo de pessoas nesse ambiente, e acabam não desenvolvendo políticas de fato inclusivas.

Portanto, a inclusão de pessoas com deficiência vai muito além do que oferecer vagas exclusivas para esse grupo, como é feito por lei. A empresa precisa ter uma estrutura acessível e prática para que essas pessoas consigam desempenhar o seu trabalho sem que nenhum “fator de caráter não-trabalhista” atrapalhe o desenvolvimento das atividades propostas.

As medidas de inclusão vão desde o processo seletivo e a disponibilização das vagas, até à acessibilidade no ambiente da empresa. Portanto, o processo de inclusão não “acaba” quando se tem pessoas com deficiência no ambiente corporativo, mas sim quando houver grande quantidade desses profissionais totalmente inseridos, de modo que só precisem se preocupar com as tarefas corporativas, e não com a questão da acessibilidade.  

Como são disponibilizadas as vagas e como é o processo seletivo?

O processo de seleção e a disponibilização das vagas costumam ser uma questão bastante relevante dentro da temática apresentada, isso porque no meio corporativo ainda há um olhar pautado em pré-concepções que precisam ser extinguidas. Os profissionais responsáveis pela admissão de novos talentos precisam entender que a contratação de potenciais colaboradores deve ser feita exclusivamente pelas competências e pelo conhecimento que essa pessoa tem e pode desenvolver dentro da empresa.

Portanto, aparência, etnia, condições físicas, ou qualquer outro fator que não diz respeito ao conhecimento e experiências não devem ser levados em consideração, visto que isso além de ser excludente, acaba fazendo com que a empresa deixe de contratar possíveis talentos. Por isso, confira algumas das melhores dicas para facilitar o processo de inclusão PcD no ambiente corporativo.  

Quais as principais dicas para inclusão de PcD na empresa?

Para auxiliar na implementação de medidas inclusivas para PcDs na empresa, é necessário se atentar em diversos aspectos, por isso, segue abaixo algumas dicas para a realização desse processo.

Entender níveis de aceitação

A ambientação de pessoas com deficiência em ambientes corporativos, vai muito além de apenas adaptações físicas no espaço. É muito importante que as relações interpessoais em um ambiente de trabalho sejam positivas, para isso é necessário entender quais são os níveis de aceitação dos colaboradores atuais da empresa. Tem em mente que a sociedade em que se vive hoje é extremamente preconceituosa, mas além disso existem pessoas despreparadas para estabelecer essas relações.

Por isso, infelizmente, pode ocorrer de alguns colaboradores criarem uma certa resistência ou atitude negativa ao ter que lidar e trabalhar com PcDs. Desse modo, o setor de Rh deve medir essa questão relativa à rejeição, para justamente entender se há necessidade da implementação de programas de inclusão e também como fazê-los.  

Treinamento de equipe

Tendo os níveis de aceitação calculados, o próximo passo é justamente disponibilizar um treinamento para que os colaboradores de modo geral consigam compreender a importância da convivência com pessoas com experiências de vida diversas e como essa troca é benéfica. Além disso, é importante que seja compreendido por todos os colaboradores que pessoas com deficiência, não são sinônimo de pessoas dependentes, portanto é fundamental que se entenda que esses profissionais não necessitam de “ajuda” o tempo todo.

O ponto essencial do treinamento é mudar a concepção das pessoas acerca de PcDs no ambiente corporativo. Através dessa iniciativa é possível mudar o comportamento da sociedade aos poucos, e garantir que ao menos dentro da companhia as relações se estabelecerão de maneira saudável.

Mapeamento de acessibilidade

Além do treinamento, é fundamental que seja realizado um mapeamento de acessibilidade, e nesse caso, não deve ser apenas na questão física. A questão arquitetônica, ou física, é sim uma questão, mas não a única, garantir a acessibilidade em relação a criar um ambiente sem preconceitos e estereótipos é fundamental. O âmbito comunicacional é também importante, assim como uma metodologia acessível, de acordo com políticas e normas inclusivas. A Norma Técnica Brasileira número 9050 (NBR-9050) determina as alterações necessárias de acordo com as questões de acessibilidade apresentadas acima.

Crie uma equipe especializada para o apoio

Essa última dica é bastante importante para o funcionamento de todas as demais, na tentativa de incluir ainda mais PcDs no ambiente da empresa. Portanto, a criação de uma equipe especializada na abordagem de PcDs, e principalmente nas questões psicofísicas que esse grupo possui.

Por isso, essa equipe especializada na relação com PcDs deve atuar juntamente com o Rh e também no desenvolvimento de ações afirmativas com a ideia de disseminar cada vez mais a ideia de inclusão nesse ambiente de trabalho, potencializando as relações interpessoais entre os colaboradores, melhorando ainda mais o resultado de um modo geral.

Entenda a importância da inclusão de PcDs no ambiente de trabalho

por
Lingopass
20.7.2022
Tempo de leitura:

É notório que grande parte dos ambientes de trabalho acabam tendo uma uniformização e seguem sempre um padrão, muitas vezes excludente e preconceituoso, o que acaba impossibilitando a inserção de diversos profissionais no mercado, e também a descoberta de novos talentos, pelo motivo de não se encaixarem naquele padrão. Com isso, o Estado se vê obrigado a criar uma política de cotas, para permitir a inserção dessas pessoas no mercado de trabalho. Nesse contexto, é importante entender a real importância da inclusão de PcDs no ambiente de trabalho, por isso, confira abaixo.

A realidade é que a composição de equipes de trabalho, assim como no mundo dos investimentos, precisa ser a mais variada possível, já que cada um tem a sua funcionalidade baseado nas experiências vividas e no conhecimento adquirido por cada um. Portanto, ter uma equipe pautada na ideia de inclusão é extremamente positivo justamente pela questão da troca de experiências, das mais diversas possíveis e também é benéfico porque dá espaço a pessoas que muitas vezes acabam sendo descartadas durante processos seletivos, justamente por uma concepção preconceituosa e capacitista.  

O que é a inclusão de PcD em uma empresa?

Existem muitas empresas no mercado que se utilizam de pautas sociais para conseguir vender uma melhora na sua imagem, mas não executam nada para de fato incluir PcDs no ambiente de trabalho da empresa. Além disso, muitas empresas acabam não entendendo como de fato incluir esse grupo de pessoas nesse ambiente, e acabam não desenvolvendo políticas de fato inclusivas.

Portanto, a inclusão de pessoas com deficiência vai muito além do que oferecer vagas exclusivas para esse grupo, como é feito por lei. A empresa precisa ter uma estrutura acessível e prática para que essas pessoas consigam desempenhar o seu trabalho sem que nenhum “fator de caráter não-trabalhista” atrapalhe o desenvolvimento das atividades propostas.

As medidas de inclusão vão desde o processo seletivo e a disponibilização das vagas, até à acessibilidade no ambiente da empresa. Portanto, o processo de inclusão não “acaba” quando se tem pessoas com deficiência no ambiente corporativo, mas sim quando houver grande quantidade desses profissionais totalmente inseridos, de modo que só precisem se preocupar com as tarefas corporativas, e não com a questão da acessibilidade.  

Como são disponibilizadas as vagas e como é o processo seletivo?

O processo de seleção e a disponibilização das vagas costumam ser uma questão bastante relevante dentro da temática apresentada, isso porque no meio corporativo ainda há um olhar pautado em pré-concepções que precisam ser extinguidas. Os profissionais responsáveis pela admissão de novos talentos precisam entender que a contratação de potenciais colaboradores deve ser feita exclusivamente pelas competências e pelo conhecimento que essa pessoa tem e pode desenvolver dentro da empresa.

Portanto, aparência, etnia, condições físicas, ou qualquer outro fator que não diz respeito ao conhecimento e experiências não devem ser levados em consideração, visto que isso além de ser excludente, acaba fazendo com que a empresa deixe de contratar possíveis talentos. Por isso, confira algumas das melhores dicas para facilitar o processo de inclusão PcD no ambiente corporativo.  

Quais as principais dicas para inclusão de PcD na empresa?

Para auxiliar na implementação de medidas inclusivas para PcDs na empresa, é necessário se atentar em diversos aspectos, por isso, segue abaixo algumas dicas para a realização desse processo.

Entender níveis de aceitação

A ambientação de pessoas com deficiência em ambientes corporativos, vai muito além de apenas adaptações físicas no espaço. É muito importante que as relações interpessoais em um ambiente de trabalho sejam positivas, para isso é necessário entender quais são os níveis de aceitação dos colaboradores atuais da empresa. Tem em mente que a sociedade em que se vive hoje é extremamente preconceituosa, mas além disso existem pessoas despreparadas para estabelecer essas relações.

Por isso, infelizmente, pode ocorrer de alguns colaboradores criarem uma certa resistência ou atitude negativa ao ter que lidar e trabalhar com PcDs. Desse modo, o setor de Rh deve medir essa questão relativa à rejeição, para justamente entender se há necessidade da implementação de programas de inclusão e também como fazê-los.  

Treinamento de equipe

Tendo os níveis de aceitação calculados, o próximo passo é justamente disponibilizar um treinamento para que os colaboradores de modo geral consigam compreender a importância da convivência com pessoas com experiências de vida diversas e como essa troca é benéfica. Além disso, é importante que seja compreendido por todos os colaboradores que pessoas com deficiência, não são sinônimo de pessoas dependentes, portanto é fundamental que se entenda que esses profissionais não necessitam de “ajuda” o tempo todo.

O ponto essencial do treinamento é mudar a concepção das pessoas acerca de PcDs no ambiente corporativo. Através dessa iniciativa é possível mudar o comportamento da sociedade aos poucos, e garantir que ao menos dentro da companhia as relações se estabelecerão de maneira saudável.

Mapeamento de acessibilidade

Além do treinamento, é fundamental que seja realizado um mapeamento de acessibilidade, e nesse caso, não deve ser apenas na questão física. A questão arquitetônica, ou física, é sim uma questão, mas não a única, garantir a acessibilidade em relação a criar um ambiente sem preconceitos e estereótipos é fundamental. O âmbito comunicacional é também importante, assim como uma metodologia acessível, de acordo com políticas e normas inclusivas. A Norma Técnica Brasileira número 9050 (NBR-9050) determina as alterações necessárias de acordo com as questões de acessibilidade apresentadas acima.

Crie uma equipe especializada para o apoio

Essa última dica é bastante importante para o funcionamento de todas as demais, na tentativa de incluir ainda mais PcDs no ambiente da empresa. Portanto, a criação de uma equipe especializada na abordagem de PcDs, e principalmente nas questões psicofísicas que esse grupo possui.

Por isso, essa equipe especializada na relação com PcDs deve atuar juntamente com o Rh e também no desenvolvimento de ações afirmativas com a ideia de disseminar cada vez mais a ideia de inclusão nesse ambiente de trabalho, potencializando as relações interpessoais entre os colaboradores, melhorando ainda mais o resultado de um modo geral.

Ver também:
9.3.21
Lingotalks #5: línguas estrangeiras são passaporte para a liberdade, humildade e conhecimento
12.4.21
Lingotalks #8: o aprendizado de diversos idiomas para além do escopo do mundo corporativo
14.2.21
Lingotalks #3: o inglês como oportunidade em carreiras de tecnologia
Faça Aulas gratuitas de conversação:
Sou Aluno
Seta apontando para a diagonal alta direita. Representando um link para outra página
lingonews
Receba novidades e conteúdos exclusivos em nossas newsletters.
Obrigado por se cadastrar!
Email inválido. Tente novamente ou use outro email.
Estamos na lista de 100 Startups to Watch, pela Pequenas Empresas e Grandes Negócios
Estamos na lista das 100 Latam EdTech mais promissoras de 2022 e 2023, pela HolonIQ
Acelerado por grandes parceiros:
©Lingopass - todos os direitos reservados. Termo de Uso e Política de Privacidade